Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

A força do voto evangélico

Crescimento da votação dos representantes do segmento orienta o jogo de alianças para 2018

O grupo que deseja comandar Pernambuco a partir de 2019 terá que dialogar com o eleitorado evangélico. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Estado, mais de 1 milhão de pessoas se identificam com alguma denominação cristã protestante. 

A tendência que se acentua nas últimas eleições, com votações expressivas de políticos evangélicos, se ilustra com o exemplo de prefeituras como Jaboatão dos Guararapes e Olinda, cujos gestores são oriundos desse segmento. Na costura das chapas de oposição, fala-se em contemplar uma vaga no Senado ou na vice-governadoria com um candidato evangélico, o que projeta a influência religiosa ainda mais no debate político. Quem tiver inserção, terá mais votos.

A base eleitoral mais representativa do segmento, proporcionalmente, é Jaboatão, segundo maior município de Pernambuco. O IBGE aponta que são 202 mil cidadãos evangélicos diante de 695 mil moradores. No Recife, são 384 mil evangélicos para uma população de 1,6 milhão. Em 2014, tanto para deputado federal quanto para estadual, os “crentes” estavam entre os mais votados de Jaboatão, algo que se repetiu na eleição de 2016.

Na disputa para a Câmara dos Deputados, em 2014, Pastor Eurico (PSB) contou com 233 mil votos, só perdendo para Eduardo da Fonte (PP) e superando o ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB). O atual prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PR), se elegeu deputado com 150 mil votos, ficando entre os 10 mais votados. 

Para a Assembleia Legislativa, os dois mais votados foram Pastor Cleiton Collins (PP), com 216 mil votos, e Presbítero Adalto Santos (PSB), com 158 mil, sem contar o PRB, do Bispo Ossésio Silva, que representa a Igreja Universal. Há uma predominância desses candidatos na região metropolitana, onde os votos de opinião se sobrepõem à questão geográfica.

Autor do Estatuto da Família, Anderson Ferreira deixou a Câmara dos Deputados para concorrer à Prefeitura de Jaboatão em 2016. Ele se elegeu no segundo turno com 171 mil votos, o que reforçou ainda mais o capital político da sua família. Além de Anderson, o grupo ainda dispõe do deputado estadual André Ferreira (PSC), que já foi campeão de votos em 2008 e 2012 na Câmara dos Vereadores, e em 2016 ainda elegeu o cunhado Fred Ferreira (PSC) com 14 mil votos. 

Para 2018, o clã planeja reabilitar Manoel Ferreira, pai de Anderson e André, para disputar uma vaga no Legislativo estadual. Ele que já foi deputado estadual por sete vezes consecutivas, representando a Assembleia de Deus. 

Nos últimos meses, o prefeito Anderson Ferreira recebeu em Jaboatão os ministros de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB), e das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), além do senador Armando Monteiro Neto (PTB). A cidade é vista como vitrine política para referendar projetos para 2018. “Tive atuação exitosa no Congresso, defendendo a família, e consegui sair do nicho, através de uma bandeira que agrada até católicos e toda a sociedade, o Estatuto da Família, que me deu condições de disputar a prefeitura”, conta Anderson.

Ele acredita que “uma chapa para o governo que não tiver um olhar para essa fatia do eleitorado pode não ter êxito”. “O grupo que apostar, inclusive numa candidatura evangélica para o Senado, terá sua chapa oxigenada. Agora não pode ser um discurso de 'despachante de igreja'. Tem que conversar com todas as denominações”, defende o prefeito. Cotado para uma vaga no Senado, André Ferreira reforça que sua família deve somar na chapa majoritária. "O segmento evangélico tem crescido, demonstrado sua força a cada eleição. Os números dizem isso", diz o deputado.

Para o prefeito de Olinda, Lupércio Nascimento (SD), havia muito preconceito com os políticos evangélicos, mas essa visão está se quebrando. “O pessoal dizia que a gente ia acabar com o Carnaval de Olinda, que só ia governar para os evangélicos, mas estamos mostrando que governamos para todos”, declara o gestor, que foi eleito deputado estadual em 2014 e venceu a disputa municipal contra Antônio Campos (Avante), irmão do ex-governador Eduardo Campos. Todavia, Lupércio acredita que ser evangélico já o coloca à frente na disputa, porque gera uma identificação com o eleitorado.

Integrante da Assembleia de Deus do Recife, o deputado Presbítero Adalto Santos é parte do Projeto Cidadania, tocado pela própria igreja, que visa eleger um deputado estadual, um federal e um vereador no Recife. Nesse projeto, também participam o congressista Pastor Eurico e a vereadora do Recife, Irmã Aimée Carvalho (PSB). Adalto conta que esse mesmo projeto é responsável por eleger políticos em mais de 10 cidades do interior do Estado. “Há um vácuo muito grande de representação e podemos até ter candidato a governador, porque o nosso segmento é muito unido”, afirma o deputado.

Fonte: Folha PE

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.