Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

Produção de vinhos pode chegar ao agreste pernambucano

Projeto reuniu pesquisadores e professores para levar a produção do vinho ao agreste

Os vinhos produzidos a partir das uvas colhidas e cultivadas no campo experimental do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em Brejão, microrregião de Garanhuns, foram apreciados em um evento que reuniu 70 pessoas na Chácara Vale das Colinas em Garanhuns. A área experimental tem o objetivo de colocar o Agreste pernambucano como uma nova região de vinícola do País, mostrando uma nova possibilidade de desenvolvimento econômico e social.

O evento faz parte de um projeto que reuniu professores e pesquisadores da Embrapa Semiárido, do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) e da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), que tem como objetivo analisar o comportamento agronômico, a qualidade da uva e implantar o processamento de vinhos em regiões produtoras de uvas e vinhos não tradicionais. Os vinhos apresentados contém uma boa qualidade, e apresenta um indicador do potencial da região para a produção de vinhos finos.

Em cerca de três anos de pesquisa no campo com dez variedades de uvas europeias, foi possível observar as que melhor se adaptam às condições de solo e clima do local. Das dez variedades, as Muscat Petit Grain, Sauvignon Blanc e Viognier, entre as brancas, e três as tintas: Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah.

Com o andamento da pesquisa, o foco da equipe de pesquisadores agora é de ajustar o sistema de manejo de videiras, objetivando aspectos como o aumento da produção, práticas de poda, e o momento certo de realizar a colheita para ter um equilíbrio no tratamento. Para a pesquisadora que lidera o projeto, Patrícia Coelho, do Embrapa Semiárido, o manejo com as plantas no campo é fundamental para a qualidade do vinho.

Após serem cultivadas e colhidas no campo experimental do IPA em Brejão, as uvas foram levadas para o tratamento do vinho no Laboratório de Enologia da Embrapa Semiárido, em Petrolina, no processo, foi usado o método tradicional para vinhos jovens e em escala experimental.

Segundo Aline Teles, pesquisadora responsável pelo tratamento do vinho, os vinhos feitos a partir das uvas da região apresentam potencial para serem produzidos em escala comercial, se enquadrando dentro dos limites da legislação brasileira para vinho fino seco. As uvas brancas também são um destaque para a produção, que além dos vinhos brancos, podem ter potencial para elaboração de espumantes na região.

Fonte: Folha PE

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.