Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

Governadores se unem para defender pacto em torno da segurança pública

O governador Paulo Câmara (PSB) participou do encontro, que resultou na Carta do Acre

Vinte governadores se reuniram em Rio Branco, no Acre, nesta sexta-feira (27), para debater medidas de fortalecimento da segurança pública e reforçar as fronteiras brasileiras para impedir a entrada de drogas e armamentos. O 'Encontro dos Governadores do Brasil pela Segurança Pública e Controle de Fronteiras' contou com a presença, ainda, com as participações de quatro ministros de Estado - Sergio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional; Torquato Jardim, da Justiça e Segurança Pública; Raul Jungmann, da Defesa; e Aloysio Nunes, das Relações Exteriores.

Diante da crise na segurança, os gestores propuseram a união de esforços e a adoção de medidas, expressas na Carta do Acre, documento que resultou do encontro. A carta é assinada pelos governadores do Acre, Rondônia, Amapá, Pará, Roraima, Tocantins, Mato Grosso, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Distrito Federal, Espírito Santo, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, assim como pelos vice-governadores do Amapá e da Paraíba.

Entre as medidas sugeridas, a implementação do Sistema Nacional de Segurança Pública; Plano Nacional Integrado entre governo federal e estados para a segurança pública; força-tarefa integrada contra a fragilidade das fronteiras, para o combate ao narcotráfico, tráfico de armas e munições; e convidar os demais Poderes da República e o Ministério Público Federal para participar da discussão, sobre a atualização, revisão de leis, medidas penais e administrativas, mediante propostas apresentadas pelos estados ao governo federal.

Paulo Câmara (PSB), que participou do encontro, lembrou que o Brasil faz fronteira com grandes produtores de cocaína do mundo - Bolívia, Peru e Colômbia. "Com drogas e armamento pesado entrando com facilidade, o trabalho dos Estados é dificultado ainda mais. O crack já não está restrito apenas às grandes cidades. E cerca de 70% dos homicídios cometidos em Pernambuco decorrem do tráfico", explicou Paulo Câmara, acrescentando que, sem trabalho integrado, o desafio se torna maior. 

Fonte: Folha PE

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.