Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

Tradicional Feira Livre de BJ:Um Patrimônio Histórico Imaterial



A Feira Livre: Força Motriz primordial no desenvolvimento da cidade de Belo Jardim-PE
            O presente texto tem como temática analisar a feira livre de Belo Jardim-PE e sua contribuição no desenvolvimento da cidade.Sabemos que o fenômeno das feiras é uma prática herdada das Civilizações antigas, mesmo tendo se passado dois milênios, ainda há principalmente nas cidades do interior de muitos países essa prática de comercializar ao ar livre, porém foi durante a Idade Média que essa relação econômica de troca e venda de produto se acentuou com os mercadores, ganhando destaque em todas as Cidades das Civilizações modernas, conforme afirmou Jacques Le Goff na cidade, o dinheiro é rei. A mentalidade que reina é a mentalidade mercantil, a mentalidade de lucrar cada vez mais e mais[1], é a feira o epicentro por onde escoou toda produção dessa época.
            Mesmo com o advento da modernidade, as feiras continuam a existir, claro que atualmente ela não supri todas as necessidades dos consumidores, as feiras foram importante ponto de partida para o desenvolvimento de muitos centros urbanos, não só de comércio, mas também de concentração e uma maior interação das pessoas que se reuniam regularmente pra vender seus produtos e tecer relações. Lembrando que a feira também foi um meio de trazer ao povo mais opções, uma vez que os mercados já não dispunham de todos os itens utilizados pela população, como cita Huberman:
Os mercados eram pequenos, negociados com os produtos locais, em sua maioria agrícola. As feiras, ao contrário eram imensas e negociavam mercadorias por atacado, que provinham de todos os pontos do mundo conhecido. A feira era o centro distribuidor onde os grandes mercadores, que as diferenciavam dos pequenos revendedores errantes e artesãos locais, compravam e vendiam as mercadorias estrangeiras precedentes do oriente e ocidente, Nordeste e Sul[2].
            Depois dessa breve contextualização acima analisada, vamos nos debruçar sobre o surgimento das feiras livres no Brasil. É fato histórico que a chegada dos portugueses aqui no séc. XVI foi para nosso território um ponto de partida pra aculturação dos povos aqui encontrados. Os Europeus aqui chegaram oficialmente a partir de 1500, porém no período que vai de 1500 até 1537 no Brasil foram implantada as feitorias, isto é, entrepostos comerciais ao longo da Costa brasileira, com o objetivo de dá vazão ao primeiro produto daqui extraído e levado pra Europa, estamos falando do Pau Brasil. Após esse período de feitorias, a partir de 1537 os Portugueses temendo a tomada do território pelos invasores franceses e holandeses, deram início a colonização, que vai de 1937 até 1822, junto com os colonos portugueses, claro, foram trazidos inúmeros costumes: Culturais, políticos e econômicos, dentre estes quando a colônia já era uma imensa e povoada Terra, surge as primeiras cidades, como exemplo: Salvador, São Vicente, Santos, Recife e Olinda, e nestes centros urbanos da Colônia surge no Brasil uma das ideias  exportada da Europa: As feiras.
            Assim as feiras livres passaram a fazer parte da Colônia, império e República, sendo preservadas até dos dias atuais, algumas como a Feira de Caruaru-PE, que é patrimônio Histórico imaterial reconhecida pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).
Trazendo a discussão para o espaço geográfico, Belo Jardim-PE teve a partir de 1854 uma feira livre, pois com o desenvolvimento urbano de Belo Jardim esteve vinculado à expansão da lavoura e a pecuária, se observou a necessidade da instalação das feiras, assim como os portos nas capitais, as feiras era por onde escoava a produção no interior, e assim passou a ser conhecida como uma das mais concorridas do interior do Estado, sempre as Segundas-feiras (até os dias atuais), o local onde se originou nossa feira foi uma localidade especifica e reservada para esta finalidade na qual este local tinha por nome “Rua Quadro”, endereço onde hoje se localiza a famosa Praça da Conceição, podendo desta maneira trazer aos seus habitantes que aqui viviam um meio para gerar uma renda, tanto para os que vendiam como para a própria localidade.
  A feira livre foi um dos fatores que elevou Belo Jardim a condição de Vila, ganhando em 1906 a linha férrea, a emancipação só aconteceu em 1928, contudo quem por nosso Centro observa percebe que todo o comércio se intensificou aos arredores da feira e posteriormente a ferrovia.
Sendo nós belojardinenses, Durval Muniz analisa que (1999, p.29 apud Adilson Filho, 2009,p.38)  “o lugar no qual me vejo articulado sem, no entanto, me reduzir a ele. E é este o lugar que deve ser questionado constantemente pelo especialista em História[3].
Então sob esse viés voltamos o olhar para uma análise sobre a  feira livre de Belo jardim-PE e sua evolução através dos mais de 160 anos que a mesma opera.
Texto:BeloJardimHistórico




[1] LE GOFF Jacques. O Homem Medieval.Lisboa:Ed.Presença,1989.p.19.
[2] HUBERMAN, Leo. A história da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 2008.p.30.
[3] AlBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. A Invenção do Nordeste e outras Artes,199 In: ADILSON FILHO, José, A cidade atravessada, velhos e novos cenários da política belo-jardinense, Recife: Comunigraf, 2009.p.38

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.