Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

Ela é a menor menina do mundo, mas é um grande exemplo de vida

Charlotte é uma garota muito alegre, que por trás do sorriso esconde uma doença extremamente rara que a faz ser a menor menina do mundo. Ela sofre de nanismo primordial, uma condição do nanismo que afeta somente cerca de 100 pessoas em todo o mundo.

Quando ela nasceu, os médicos disseram que ela não chegaria nem até 1 ano de idade, mas, contrariando as expectativas, ela está conseguindo viver mais que isso, e aproveitando a vida ao máximo dentro de suas limitações.

Emma e Scott já tinham três filhas e estavam felizes ao descobrirem a quarta gravidez de Emma, que era de mais uma menina. Eles esperavam que o bebê nascesse saudável, mas tiveram más notícias.

Ao contrário das anteriores, esta gravidez acabou tendo complicações. Emma entrou em trabalho de parto quatro semanas antes do previsto, e foi aí que tudo começou.

O casal percebeu que sua filha seria pequena porque ela era prematura, mas eles não estavam preparados para o que aconteceu quando o bebê nasceu, e nem os médicos.

O casal colocou o nome da filha de Charlotte, que acabaria sendo a menor garota do planeta. Ela pesava apenas dois quilos e media 25 cm, o que era extremamente anormal. O pior de tudo, é que eles não tinham certeza de quanto tempo sua filha ficaria viva, já que os médicos haviam dito à família que ela provavelmente não sobreviveria nem até 1 ano de idade, o que deixou a família arrasada.

Charlotte era bastante frágil e seus pais não podiam nem segurá-la da maneira que a maioria dos pais seguram seus bebês. Ela era um pouco mais desenvolvida do que um bebê prematuro de 16 semanas, e seu futuro não parecia tão bom.

Exames médicos determinaram que ela tem nanismo primordial, uma anomalia genética extremamente rara, que afeta cerca de 100 pessoas em todo o mundo. A doença é caracterizada por um retardamento do crescimento, crescimento ósseo anormal, tamanho pequeno da cabeça, anomalias cerebrais e faciais.

Charlotte tem uma enorme vontade de viver, e, ao contrário do que os médicos haviam dito, ela passou de 1 ano de idade e tem aproveitado sua vida com a ajuda de seus pais e irmãs.

Além do pequeno tamanho, a doença de Charlotte causou uma série de outros problemas, inclusive no seu sistema imunológico e no seu desenvolvimento mental.  Apesar de tudo, Charlotte é uma menina forte, e seus pais estão fazendo o melhor para dar a ela uma vida confortável.

Com o passar dos anos, Charlotte provou que não é uma criança frágil, apesar de parecer uma “boneca de porcelana”.

Ela começou a frequentar a escola quando tinha 5 anos de idade, quando tinha apenas 68 cm de altura, e pretendia viver como uma criança normal.

Emma afirma que “a vida sem Charlotte seria muito chata”. Infelizmente, a expectativa de vida para quem sofre de nanismo primordial é de cerca de 30 anos, mas seus pais aproveitam cada minuto com a filha, já que o futuro dela é bastante incerto e preocupante.

Charlotte não é a única a sofrer com esse problema. Assim como ela, Nick Smith é uma das poucas pessoas que nasceram com nanismo primordial. Ele tem 26 anos e é do tamanho de uma criança de três anos, e seus irmãos são bem mais altos do que ele.

“É definitivamente irônico porque toda a família é alta”, afirma seu irmão, Travis. Nick desenvolveu outras complicações de sua doença à medida que ficava mais velho, e elas são bem mais graves do que seu pequeno tamanho.

Os médicos encontraram um aneurisma no cérebro de Nick. “Um aneurisma é como uma bomba-relógio”, disse sua mãe, Shelly. Felizmente, uma operação atrasou o inevitável, mas a família sabe que precisa valorizar cada momento precioso junto a Nick.

Apesar dos problemas, a mãe de Nick afirma que ele é muito feliz e que leva alegria para as pessoas também. “Para mim, é como ter um filho que nunca cresceu realmente, e isso é uma coisa maravilhosa. Que mãe não iria gostar disso?”, afirma sua mãe.

Charlotte e Nick provam que seus problemas não definem quem eles são, e apesar de pequena estatura, seus corações e vontade de viver são enormes.

Fonte: Wildes de Brito

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.