Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

Governo de SP diz que Coronavac é eficaz, mas volta a adiar divulgação de resultados

Instituto Butantan e governo paulista dizem que vacina supera exigência mínima de 50% de eficácia, mas evitam divulgar percentual exato, sob justificativa que laboratório chinês pediu prazo maior para unificar dados.


O governo de São Paulo e o Instituto Butantan anunciaram nesta quarta-feira (23/12) que a vacina contra covid-19 CoronaVac, produzida pelo laboratório paulista em parceria com a chinesa SinoVac, apresentou segurança e atingiu o índice mínimo de eficácia exigido pelas agências regulatórias (50%). No entanto, o percentual exato de eficácia não foi divulgado.

A falta de dados específicos sobre a Coronavac contrariou um anúncio prévio do governo paulista, que havia prometido a divulgação hoje. Foi o quarto adiamento do tipo. Anteriormente, o governo já havia manifestado que revelaria os dados em outubro e depois divulgou dois prazos diferentes em dezembro. A justificativa desta vez foi de que a Sinovac solicitou a base de dados para mais análises.


Segundo o governo de São Paulo, a empresa chinesa quer unificar e equalizar os dados com ensaios feitos na Turquia e Indonésia, com o objetivo de evitar a divulgação de índices diferentes. O prazo máximo previsto é de 15 dias. Dessa forma, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) só deve receber os dados para registro após o fim desse processo. Inicialmente, o governo paulista também havia anunciado que entraria com o pedido de registro em 23 de dezembro. Agora, o prazo deve ficar para janeiro.


"Essa solicitação da Sinovac tem respaldo no contrato e só podemos divulgar esse número em conjunto. E vamos fazer no tempo oportuno. Esperamos que seja o mais rápido possível", disse Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan. "Essa base de dados foi transferida na manhã de hoje, para que eles possam proceder essa análise o mais rapidamente possível. Solicitaram o prazo de 15 dias para que isso aconteça, mas acreditamos piamente que essa data será adiantada", disse Covas.


Já o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que a vacina atingiu a "superioridade de eficácia" exigida "tanto pela Anvisa quanto pela OMS", ou seja uma eficácia superior a 50%. Questionado por jornalistas se o adiamento da divulgação dos resultados estava ocorrendo por causa de uma decepção com os resultados, Gorinchteyn negou algo nesse sentido. Ele afirmou que o objetivo sempre foi que uma eficácia que superasse 50%. "Se fosse 51% para nós já era importante, principalmente no momento em que vivemos uma crise sanitária", disse.


Apesar do novo adiamento, o Butantã e o governo paulista continuam a afirmar que o cronograma de vacinação no estado não será alterado. A previsão é que vacinação seja iniciada em 25 de janeiro.


Após a entrega dos dados, a Anvisa estima que precisará de até dez dias para uma avaliação de uso emergencial. Já um registro definitivo tem prazo máximo de análise de 60 dias, que pode ser eventualmente apressado com uma análise contínua dos resultados das fases anteriores de testes, algo que o Butantan afirma que já está sendo feito. De acordo com o governo paulista, o Butantan já tem mais de 3 milhões de doses da Coronavac finalizadas para uso imediato após a aprovação.


A Coronavac está no centro de uma guerra política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador João Doria. O governador paulista negociou a acima diretamente com os chineses, diante da falta de ação do governo federal. Bolsonaro não disfarça sua má vontade com o imunizante promovido pelo adversário político. Em outubro, ele chegou a desautorizar publicamente Eduardo Pazuello após o ministro da Saúde manifestar a intenção de comprar milhões de doses da Coronavac.


Bolsonaro também tem agido para reforçar a desconfiança contra outras vacinas, como a Pfizer/BioNTech, e já disse que não pretende se imunizar. Nesta quarta-feira, ele afirmou que a "melhor vacina é o vírus", que já deixou mais de 180 mil mortos no Brasil. "Eu tive a melhor vacina, foi o vírus", disse o presidente. "Sem efeito colateral." Seus apoiadores também espalhado boatos delirantes sobre as vacinas, afirmando que elas podem até mudar o DNA. A demora do governo de São Paulo em divulgar resultados deve ser provavelmente explorada nos próximos dias pelos apoiadores do presidente.


Fonte: Msn.com

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.