Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

“Ou fabrica no Brasil, ou não tem vacina”, diz Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta 5ª feira (7.jan.2021) que a demanda por vacinas contra a covid-19 é melhor atendida pela produção nacional do que pela importação de imunizantes: “É isso aí, pessoal, ou fabrica no Brasil ou não tem vacina”, afirmou o ministro.


Ele deu a declaração durante entrevista coletiva sobre a medida provisória que dispensa licitação para compra de vacinas contra a covid-19 e insumos destinados à imunização. Assista ao evento na íntegra (1h55min):Pazuello comentou as negociações para importar vacinas de 3 desenvolvedores: Janssen, Moderna e Pfizer. De acordo com o ministro, a Janssen “oferece 3 milhões de doses apenas no 1º semestre”. Ele também disse que “a quantidade e o tempo não nos atende”.

Já a Moderna, de acordo com o ministro, é cara: US$ 37 a dose, sendo necessárias duas aplicações por pessoa. “Mas vamos lá, vamos comprar. E quando seria a entrega? 30 milhões de doses a partir de outubro, com previsão para chegar até o final de 2021”.


Ao comentar as negociações com a Pfizer, Pazuello voltou a criticar as exigências da farmacêutica. Afirmou que as tratativas continuam. “Amanhã tem novas reuniões. O que nós queremos é que ela nos dê o tratamento correspondente com nosso país, que ela amenize essas cláusulas. Nós não podemos assinar desta forma”, disse.


O ministro afirma que a empresa exige ser isenta de qualquer responsabilidade, caso a vacina produzida por ela apresente alguma falha ou reação adversa grave em um ou mais pacientes.


Em pronunciamento no dia anterior (6.jan), o ministro negou falta de seringas. O pregão eletrônico para a compra do equipamento foi suspenso pelo presidente Bolsonaro depois de conseguir apenas 3% das 331 milhões de unidades pretendidas.


Ainda não há uma data determinada para o início da vacinação. O que o Ministério da Saúde confirmou nesta 5ª (7.jan) são 3 hipóteses. No pior dos casos, as vacinas só começariam a ser aplicadas em uma data depois de 10 de fevereiro. No cenário otimista, o processo começaria em 20 de janeiro, e no intermediário dentre esses 2 momentos.


Butantan

De acordo com Pazuello, o Ministério da Saúde assinou nesta 5ª (7.jan) um contrato com o Instituto Butantan para a compra de 100 milhões de doses da CoronaVac, que será produzida no Brasil. “A entrega das primeiras 46 milhões de doses [será] até abril”, afirmou o ministro.


As demais 54 milhões de doses devem ser entregues até o final de 2021, ele acrescentou. O Poder360 questionou o Butantan sobre as declarações. Em nota divulgada, não confirmou quantidades nem prazos.


Eis a íntegra:


“A inclusão da vacina do Butantan no Programa Nacional de Imunizações representa a continuidade da parceria de mais de 30 anos entre o Instituto e o Ministério da Saúde para o fornecimento de vacinas aos brasileiros.


O anúncio feito hoje em Brasília significa que o MS, como historicamente fez, irá adquirir a vacina contra o coronavírus do Butantan e irá distribuir aos estados, incluindo o de São Paulo.


A minuta de contrato com o órgão federal foi recebida pelo instituto e imediatamente submetida à análise do departamento jurídico visando à sua rápida formalização.


Hoje o Brasil teve três boas notícias na área da saúde: as altas taxas de eficácia da vacina, o início do rito para obtenção do registro junto à Anvisa e o anúncio da parceria entre o MS e o Butantan para fornecer o imunizante à população brasileira.”


O ministro disse ainda que o país garantiu “252 milhões de doses, já negociadas e com recursos para isso”. O total inclui as doses negociadas com a AstraZenca por meio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e também pelo Covax Facility –um convênio internacional para aquisição de vacinas.


Eis a relação completa de doses já negociadas, de acordo com o Ministério da Saúde:


Imprensa

O ministro iniciou a coletiva agradecendo a imprensa “pela firme e constante presença, que está conosco acompanhando, divulgando e apresentando os fatos como devem ser apresentados, com a menor interpretação possível”. Depois, passou a se queixar da “dificuldade de comunicar”.


Próximo ao fim da sua fala, ele adotou um tom mais duro: “não queremos a interpretação dos fatos, não queremos tendência ideológica ou de bandeira. Eu quero assistir à televisão e ver a notícia do fato que aconteceu. Deixem a interpretação para o povo brasileiro, deixem a interpretação para cada um de nós. Os senhores não tem essa delegação [de interpretar informações]”.


Na sequência, o ministro pediu desculpas “pela emoção da palavra” e disse que os outros representantes do Ministério da Saúde responderiam a todas as perguntas. Retirou-se em seguida, alegando que tinha outro compromisso.


Fonte: Msn.com

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.