Fique atualizado com o

Motiva Gente News
recent

IFPE será co-participante em equipamento que gera energia por meio das ondas do mar

A ferramenta ficará no Porto de Suape, em Ipojuca, em pleno mar


O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE) participará do desenvolvimento de um equipamento capaz de gerar energia através da captação do movimento das ondas do mar. O "Oscillo Drive", patenteado pela empresa americana Wave Water Works, será instalado no Porto de Suape, em Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife, até o fim do primeiro semestre de 2021. 

Será o primeiro uso do equipamento de forma física no mundo. A Wave Water Works doará o protótipo do equipamento com o intuito de possibilitar a ampliação do conhecimento na área e complementar seu desenvolvimento com pesquisadores locais. 


Para sua geração de energia, o "Oscillo Drive" não consome combustíveis ou emite gases. Sua captação acontece apenas através do movimento e transformação da energia mecânica (das ondas) em elétrica. 


O "Oscillo Drive" capta a movimentação das ondas por meio de um braço metálico com uma boia anexada, sujeita à movimentação do mar. As rotações do braço metálico são ligadas a um gerador elétrico, no eixo do equipamento, abastecendo a produção de energia para o que for necessário.


"O Oscillo converte as rotações no sentido horário e anti-horário num único sentido de rotação, e é aí que está o segredo. Com a rotação uniformizada, o eixo está conectado a um gerador elétrico, que poderá gerar energia elétrica para o que for necessário. Com essa tecnologia, poderemos gerar eletricidade, sem nenhum combustível, com zero emissão de gases de efeito estufa 24 horas por dia, 7 dias por semana", detalha o professor Héber Nunes, do IFPE-Campus Recife. 


O potencial energético do equipamento ainda será estudado pela equipe de pesquisadores do Instituto. "A primeira ideia é otimizar a partir das ondas que temos aqui, com um equipamento pequeno. Depois, ampliar a capacidade para o máximo que as ondas possam gerar", informou o pesquisador. 


De acordo com o professor, a energia gerada pelo equipamento pode ser armazenada ou ligada diretamente  à rede elétrica. "Há muitas possibilidades de uso dessa energia. É isso que vamos estudar: como melhorar a captação, aumentar o rendimento, temos várias ideias", informou Nunes. 


Na próxima quarta-feira (31), uma cerimônia virtual de lançamento será realizada pela empresa Wave Water Works para apresentar o protótipo. Na apresentação, será feita também a doação formal do equipamento ao IFPE.


O equipamento, que já está na sede do IFPE no Recife, ficará sob os cuidados do Instituto para que seja concluída a construção de suas peças auxiliares e instrumentação.


Nesse processo, serão testadas a instrumentação e a transmissão de dados do Oscillo, que ficará nas proximidades da TermoPE, no Porto de Suape, no Grande Recife, em pleno mar. O equipamento é formado por uma caixa de 1.2m x 1.4m x 0.7 m e um "braço" de 2m. 


"Teremos uma equipe multidisciplinar e multicampi trabalhando no protótipo. Professores dos Campi Recife, Pesqueira, Paulista e Ipojuca estão trabalhando em suas respectivas áreas de expertise. Este equipamento fará com que exploremos a área de materiais e corrosão, eficiência energética, instrumentação, telemetria, vibração mecânica e sustentabilidade", explicou o professor Nunes.


Diferente da energia eólica, a captação de movimento pelo Oscillo pode ser mais previsível, mesmo com as mudanças na maré, de acordo com o pesquisador. "Na éolica, os ventos são bem inconstantes. Tem hora que não vale a pena gerar, então a turbina tem que ser parada para não consumir energia da rede. Esse nosso nunca vai consumir da rede. Se não tiver onda, ele vai parar. Mas, com o mínimo movimento, já é possível extrair energia", informou. 


Por parte da sustentabilidade, a ideia do projeto é ter o mínimo de manutenção, sendo produzido com materiais duradouros. Pela não utilização de óleos e ocupar pouco espaço, os pesquisadores também acreditam que o projeto não chega a agredir o meio ambiente. 


Nunes ainda comentou que a Wave Water Works tem o intuito de trabalhar mais com o Brasil. "Já temos muitos alunos de iniciação científica trabalhando em temas relacionados ao Oscillo Drive, que são futuras mãos de obra para a empresa. Acredito que demos um passo importante, pois, além de trazer a possibilidade de novas patentes e inovações para o nosso Instituto, temos a chance de sermos pioneiros na geração de energia maremotriz no Brasil e na América Latina", comentou. 


De acordo com Hugo Pimentel, diretor de Pesquisa da Wave Water Works, o IFPE compilará informações bastante importantes para desenvolver ainda mais o produto, compreendendo melhor o funcionamento do Oscillo Drive em águas brasileiras e internacionais através de modelos matemáticos validados e aperfeiçoando o design do protótipo.


Além disso, Pimentel ressaltou o impacto positivo para o fomento à pesquisa e ao desenvolvimento e para o preparo e qualificação de profissionais na área de energias renováveis, impulsionando o IFPE, a região local e a própria empresa nessa área, estimulando também a indústria metalmecânica local.


"É uma parceria inédita para ambas as partes e que tem um potencial de cooperação futuro imensurável, dados o tamanho do mercado mundial de energia renovável e a necessidade de soluções energéticas verdes para países atingidos por desastres e/ou que não possuem sólido acesso à eletricidade por meios não poluentes", comentou.


Fonte: Folha PE

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.